terça-feira, 31 de maio de 2011

O CARIJO EM QUE FICAMOS ENTRE OS MATES...

o

   Este final de semana, estivemos participando do carijo da canção gaúcha, na terra boa de Palmeira das Missões, RS, que inclusive é minha terra natal.
   Depois de dois anos fora de uma final deste importante festival nativista, posso dizer, particularmente, da emoção que foi, para mim, retornar ao solo onde plantei meu verso, onde minha poesia se enraizou para frutificar distante dali, porém, muito próximo em termos de essência... de alma... de querência...
    Em parceria com João Bosco Ayala Rodrigues, da cidade de Guaíba, tínhamos a composição ENTRE OS MATES, defendida por Maykell Paiva ao violão e Nilton Ferreira e Robledo Martins enquanto intérpretes.
    A música saiu maravilhosa no palco e foi um imenso prazer e felicidade poder partilhar desta canção com todos que estiveram no ginásio. Foi a maior roda de mate que já vi na vida, pois mateamos com um ginásio lotado, entre o entusiasmo das pessoas e a nossa emoção, numa troca de energia muito impotante e muito linda.
    Entre os mates, também ficaram várias situações de um final de semana maravilhoso... entre os mates, sorvemos a amizade recente do Maikell que chegou para ficar em Palmeira por um fim de semana, mas, em nossas vidas, tomara que para sempre; tivemos o reencontro com João Bosco e sua estréia no carijo, numa emoção muito contagiante que um grande compositor feito ele, sempre traz nas melodias; tivemos o Robledo atravessando o Estado para vir dar um abraço caloroso em Palmeira das Missões, inclusive dispensando convites para outros festivais muitíssimo importantes, só para estar conosco... entre os mates, ficou a prosa boa com a família Ferreira, vendo o Nilton numa vontade e numa felicidade muito grande, num abraço largo daqueles que chegam com um sorriso franco e uma paz única de quem partilha emoção... entre os mates...
     Na casa da mãe, em Palmeira, entre os mates ficou uma piada do Zulmar, um comentário do Sicha, o silêncio do Jader, a bagunça e o excelente humor do Arison, a energia do Gustavo (pacotinho), a ombridade do Vagner, a simpatia da Rita e, é claro, uma saudade de todos eles, que ninguém pode imaginar...
     O resultado do carijo em termos de premiação foi esse aqui:

Melhor tema sobre Palmeira das Missões
Na Invernada da Guarita
Letra: Luís Gustavo Foresti Ribas
Música: José Ricardo Maciel Nerling
Intérprete: José Ricardo e Murilo Andrade

Melhor arranjo
Clarim do Batará
Letra - Rafael Teixeira
Música - Marcelinho Carvalho
Intérprete - Adans César

Melhor Instrumentista
Paulinho Brach

Melhor Arranjo Vocal
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques
Música - Adão Quintana Vieira e Maurício Silveira
Intérprete - Grupo Parceria

Melhor Trabalho Poético
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques

Melhor Intérprete
Robledo Martins

Melhor Tema Ecológico
A Resposta
Letra e Música - Adair de Freitas
Intérprete - Adair de Freitas

3º Lugar
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques
Música - Adão Quintana Vieira e Maurício Silveira
Intérprete - Grupo Parceria

2º Lugar
Comitiva
Letra - Wilson Vargas
Música - Sérgio Rosa
Intérprete - Robledo Martins

1º Lugar
Os Bravos da Palmeira
Letra - João Pantaleão
Música - Érlon Péricles
Intérpretes - Jean Kirchoff, Angelo Franco e Ita Cunha

Deixo ainda, o vídeo para quem quiser dar uma conferida na apresentação de Entre os Mates... Abraço grande e até breve!!

video

3 comentários:

  1. parabéns, estavam perfeitos no palco... se a minha e a opinião do povo fossem voto oficial, essa ganharia em primeiro e ainda seria classificada como melhor letra.... ainda bem que no final o bem sempre vence...

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado Genuína!! Pela força de palvras iguais às tuas, é que temos luz e motivação para seguirmos em frente!! Um grande abraço a vc e à tua família!!

    ResponderExcluir