terça-feira, 31 de maio de 2011

O CARIJO EM QUE FICAMOS ENTRE OS MATES...

o

   Este final de semana, estivemos participando do carijo da canção gaúcha, na terra boa de Palmeira das Missões, RS, que inclusive é minha terra natal.
   Depois de dois anos fora de uma final deste importante festival nativista, posso dizer, particularmente, da emoção que foi, para mim, retornar ao solo onde plantei meu verso, onde minha poesia se enraizou para frutificar distante dali, porém, muito próximo em termos de essência... de alma... de querência...
    Em parceria com João Bosco Ayala Rodrigues, da cidade de Guaíba, tínhamos a composição ENTRE OS MATES, defendida por Maykell Paiva ao violão e Nilton Ferreira e Robledo Martins enquanto intérpretes.
    A música saiu maravilhosa no palco e foi um imenso prazer e felicidade poder partilhar desta canção com todos que estiveram no ginásio. Foi a maior roda de mate que já vi na vida, pois mateamos com um ginásio lotado, entre o entusiasmo das pessoas e a nossa emoção, numa troca de energia muito impotante e muito linda.
    Entre os mates, também ficaram várias situações de um final de semana maravilhoso... entre os mates, sorvemos a amizade recente do Maikell que chegou para ficar em Palmeira por um fim de semana, mas, em nossas vidas, tomara que para sempre; tivemos o reencontro com João Bosco e sua estréia no carijo, numa emoção muito contagiante que um grande compositor feito ele, sempre traz nas melodias; tivemos o Robledo atravessando o Estado para vir dar um abraço caloroso em Palmeira das Missões, inclusive dispensando convites para outros festivais muitíssimo importantes, só para estar conosco... entre os mates, ficou a prosa boa com a família Ferreira, vendo o Nilton numa vontade e numa felicidade muito grande, num abraço largo daqueles que chegam com um sorriso franco e uma paz única de quem partilha emoção... entre os mates...
     Na casa da mãe, em Palmeira, entre os mates ficou uma piada do Zulmar, um comentário do Sicha, o silêncio do Jader, a bagunça e o excelente humor do Arison, a energia do Gustavo (pacotinho), a ombridade do Vagner, a simpatia da Rita e, é claro, uma saudade de todos eles, que ninguém pode imaginar...
     O resultado do carijo em termos de premiação foi esse aqui:

Melhor tema sobre Palmeira das Missões
Na Invernada da Guarita
Letra: Luís Gustavo Foresti Ribas
Música: José Ricardo Maciel Nerling
Intérprete: José Ricardo e Murilo Andrade

Melhor arranjo
Clarim do Batará
Letra - Rafael Teixeira
Música - Marcelinho Carvalho
Intérprete - Adans César

Melhor Instrumentista
Paulinho Brach

Melhor Arranjo Vocal
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques
Música - Adão Quintana Vieira e Maurício Silveira
Intérprete - Grupo Parceria

Melhor Trabalho Poético
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques

Melhor Intérprete
Robledo Martins

Melhor Tema Ecológico
A Resposta
Letra e Música - Adair de Freitas
Intérprete - Adair de Freitas

3º Lugar
Santo Missioneiro
Letra - Armando Vasques
Música - Adão Quintana Vieira e Maurício Silveira
Intérprete - Grupo Parceria

2º Lugar
Comitiva
Letra - Wilson Vargas
Música - Sérgio Rosa
Intérprete - Robledo Martins

1º Lugar
Os Bravos da Palmeira
Letra - João Pantaleão
Música - Érlon Péricles
Intérpretes - Jean Kirchoff, Angelo Franco e Ita Cunha

Deixo ainda, o vídeo para quem quiser dar uma conferida na apresentação de Entre os Mates... Abraço grande e até breve!!

video

segunda-feira, 23 de maio de 2011

FESTIVAL TROPILHA CRIOULA DE SÃO BORJA!!!


  Este final de semana, estivemos trabalhando em São Borja, fazendo a triagem do festival TROPILHA CRIOULA...
   Tche... mas bota tratamento bom que o pessoal nos guardou!! E uma cozinha véia que não parava!! Toda hora, uma bóia melhor que a outra!!
    Ouvimos muita música, mas muita mesmo!! E depois, o resultado, que agora posto por aqui...

ETAPA GERAL:


CHAMARRITERO
Letra: Giovani Gonzales / Alex Mar
Música: Alex Mar Oliveira

EMBRUJOS MUSIQUEROS
Letra: Leonardo Borges / Giovani Gonzales/ Jorge Modesto
Música: Daniel Cavalheiro / Juliano Moreno

RAZÕES PRA COMPOR
Letra: Mauro Costa Dias / Telmo Vasconcelos
Música: Lucas Mendes

DE TIERRA ANTIGUA
Letra: Diego Müller
Música: Raineri Spohr / Otavio Severo

OUTRA FORMA DE VER
Letra: José Mauro Ribeiro Nardes / Severino Rudes Moreira
Música: Kayke Mello

CADA MILONGA É UM CAMINHO
Letra: Marcelo Domingos D’avila
Música: Volmar “Penna” Flores

REMENDANDO SONHOS
Letra: Dilamar Costenaro
Música: Xuxu Nunes

CORAÇÃO DE MOÇO
Letra: Mauro Costa Dias / Rogério Moraes
Música: Sergio Rosa

NO MISTÉRIO DAS PAREDES
Letra: Alex Quevedo Camargo / Cristiano Rauber
Música: Glademir Escobar

CRUZ DE SAL
Letra: Cristiano Rauber / Laerte Ribeiro
Música: Calico Ribeiro

NA GARUPA DE ALGUM SONHO
Letra: Piero Ereno
Música: Piero Ereno

SINGRANDO SONHO
Letra: Paulo Ricardo Costa
Música: Arisson Martins / Emerson Martins / Tiago Ramos

DANDO UM TEMPO PRAS MILONGAS
Letra: Nenito Sarturi / Desidério Souza
Música: Desidério Souza

ROMANCE ARRABALERO
Letra: José Mauro Ribeiro / Paulo Ricardo Cunha Mendes
Música: Kayke Mello


A VIDA APESAR DOS TROPEÇOS
Letra: João Ari Ferreira
Música: Jhonatan Farias


ETAPA LOCAL:

PRA TE ESPERAR NA PORTEIRA
Letra: Maicon Zauza Pinto
Música: Julio Prestes / S. Sodré

NO SE ALONGAR DA MILONGA
Letra: Maicon Z. Pinto
Música: Cristiano Rodrigues

JANELA DO CAIS
Letra: Pedro Luis Pinto
Música: João Barbosa

TUMBEIRO
Letra: Ayrthon Nenê Caetano
Música: Ayrthon Nenê Caetano

NO TEMPO DA VILA ALEGRE
Letra: Vantuir Cáceres
Música: Vantuir Cáceres

MAIS QUE RUINAS
Letra: Rodrigo Bauer
Música: Vantuir Cáceres

RIO INSPIRAÇÃO
Letra: Otorino Covolo
Música: Márcio Trindade

LIDA DE PEÃO
Letra: Pedro Edir Oliveira
Música: Pedro Edir Oliveira

FILOSOFIA DE CANTOR
Letra: Felipe Severo
Música: Leonardo Cruz

NOS INVERNOS DA ALMA
Letra: Jairo Lima
Música: Jairo Lima

RAMÃO CHURERO
Letra: Miguel Bicca
Música: Maico Pimenta

DOIS TAURAS
Letra: Amigo Souza
Música: Amigo Souza

DOIS MUNDOS
Letra: Pedro Luis da Silva Pinto
Música: Pedro Luis da Silva Pinto

POR PENSAR ASSIM EM TI
Letra: Felipe Severo
Música: Felipe Severo

CANTO QUE VEM DA PAMPA
Letra: Julio Azambuja
Música: Julio Azambuja



domingo, 15 de maio de 2011

CAPELA DA CANÇÃO NATIVA!!!!


   Neste final de semana, iniciou, sendo que, teve seu final já na madrugada desta segunda-feira, a 5 capela da canção nativa, na cidade de Amaral Ferrador, RS, onde estivemos competindo com a composição NO MANTO VERDE DO CAMPO, que é uma letra minha, com melodia de Robledo Martins e Maurício Lopes.
  Agradeço muito a Deus por ter me dado amigos que acreditam na força de um verso, na arte de inspiração, na voz que o coração possa expressar em uma rima, um tema, uma canção...
  Que nunca nos falte motivo para nos reencontrarmos, vontade de trocarmos um abraço e, claro, mate com erva da Palmeira, verso e música pra iluminar a vida!!

PREMIAÇÃO:

Melhor instrumentista - Luisinho (acordeon)

Melhor poesia - NO MANTO VERDE DO CAMPO (Rômulo Chaves)

Melhor intéprete - Marcelo Oliveira (Ninho de Hornero)

Música mais popular - De quem conhece a saudade  (Gilmar Baptista / Almo Luís Abreu da Silva)

Terceiro Lugar - A FLAUTA DA VIDA (Adão Quevedo / Danilo Kuhn da Silva) 

Segundo Lugar - DOS ENCONTROS (OLAVO LORETO / PAULLO COSTA)

PRIMEIRO LUGAR - NINHO DE HORNERO (SÉRGIO SARETTO / ZULMAR BENITEZ)




MELHOR LETRA DO FESTIVAL - Que grande honra poder levar esta distinção tão importante para quem escreve, me sinto muito orgulhoso, feliz, e motivado para estar, em cada verso, dimensionando parte da emoção por sobre uma rima derramada no manto lindo e livre do papel...

NO MANTO VERDE DO CAMPO


Hoje o sol deste verão, a despacito no rincão, chamou o dia pra lida
Minha alma acomodada nos bastos da colorada, repassou a minha vida
Vi que foi aqui mesmo que deixei de andar a esmo pra, enfim, fazer querência
E o campo, a seu gosto, bebeu suor do meu rosto, emprestando sua essência...

Alço a mirada pra frente, o gado pasta silente, "hay" brisas de calmaria...
Lembro o pequeno ranchito, onde beijei meu piazito antes de "empeçar" o dia
Tem tantos reclamando de tudo que está faltando, mas eu guardo esperança
E um sabor de lida buena, que, talvez por ser torena, descobri cá na estância!!

Tenho tino pra os arreios e um sonho estreleiro no céu do meu olhar
De um dia ter meu gado, e um flete ao meu agrado, pra meu guri encilhar...
Mas sei que por agora, me resta bater esporas feito coplas de acalanto
E entregar estes anseios ao ventito, meu parceiro e ao manto verde do campo!

O campo sabe o que faz, dele, sorvo minha paz, nele, planto meu futuro
É lugar de boa aguada, das lendas da gauchada, é luz para o escuro...
Seu manto cobre a história e toda essa trajetória de peões e estancieiros
Que ao olhar do campo, são iguais no mesmo tanto, são apenas campeiros!!

Por isso tenho confiança e me alço nas distâncias que o meu sonho levar
Com muita sinceridade, nos braços bons da verdade, me orgulha trabalhar!!
Penso estas coisas comigo, com o campo por abrigo e os olhos na invernada
Daqui a pouco o dia finda e volto rever a linda, flor campeira da morada!!







PESQUEIRO - IJUÍ EM 2011



  No último final de semana, estivemos em Ijuí, RS, na edição do pesqueiro do canção gaúcha, conversando com uma indiada véia muito amiga e comendo uma "bóia missioneira", de alta cautela no preparo!! Hahahahaha
  Aliado a isso, muita música, mate e verso, e, claro, RIO E NATUREZA!!!! Tantos valores lindos que, quando aliados à amizade, dão um tom maravilhoso para o tema do festival que foi proposto, VIDA!!!!
   Neste tipo de encontro, o tema é proposto para que os compositores possam fazer trabalhos com este viés... 
  Nós tivemos a distinção de vencer o festival, uma parceria minha com o Nilton Ferreira, que foi defendida pelo Riverton Duarte (baixo), Cássio Figueiró (acordeon), Nilton Ferreira (violão e interpretação) e Aurélio Moares (interpretação).
  O nome da obra é "A CONTA GOTAS" e me rendeu a melhor letra também... Palmeira das Missões ainda trouxe o segundo lugar com Antônio Augusto Korsack Filho e José Ricardo Maciel Nerling (melhor intérprete), além do Aurélio ser também o intérprete do terceiro lugar.
  Me perdoem por não postar a informação com maiores detalhes, mas não trouxe nada anotado de lá, com o resultado, portanto, divulgo, na verdade, a felicidade de termos estado todos juntos, termos feitos canções maravilhosas e termos interagido com a natureza, sempre com um verso no fundo do coração...
  Um abraço ao Rogério Knorst e ao Sr. Carnelutti, que, vão capitaneando as atividades na cidade de Ijuí e, juntamente com sua equipe, fazem com que a gente se despeça já com a saudade apresilhada nos bastos da alma!!!!
   Obrigado Valdomiro Maicá, Aurélio Moraes e Nilton Ferreira, além, é claro, dos amigos que defenderam as obras conosco, pelo gosto de uma amizade pura, baseada na arte e na cultura, com gosto de mate bueno e ânsias de estrada em cada poema... Muito obrigado à vida, que tem me dado tanto...